Skip to content

Fortes chuvas causam estragos a moradores fluminenses

0Comments

Fortes chuvas causam estragos a moradores fluminenses

☉ Jan 15, 2024
0 views
Spread the love

As fortes chuvas que caíram no estado do Rio de Janeiro, nesse fim de semana, provocaram inundações e deslizamentos de terra em vários municípios do estado do Rio de Janeiro. A doméstica Rita de Cássia dos Anjos foi acordada pelo sobrinho no sábado (13) bem cedo, avisando que a água do rio estava subindo. “Quando abri a porta, a água já entrou de vez. Aí alagou dentro da minha casa. Minhas irmãs também. A rua toda encheu. Mais para baixo da minha casa, teve pessoas que perderam tudo, não tiveram tempo de salvar (nada). Também entrou água na casa do meu filho. No meu irmão, a geladeira dele tombou. A gente não pôde nem entrar porque a geladeira estava ligada na tomada. Não deu para tirar (da tomada). Ontem (14) à noite ainda tinha bastante gente com água dentro de casa”, disse à Agência Brasil.

Rita de Cássia mora no Parque São José, em Duque de Caxias, Baixada Fluminense. No domingo (14), a água começou a baixar de nível por volta das 10h ou 11h. Quando veio trabalhar nesta segunda-feira (15) pela manhã, no Rio de Janeiro, estava seco no meio do asfalto mas, nas extremidades da rua, ainda tinha água. “Mas dava para passar”. Ontem, o filho de Rita não pôde ir trabalhar porque não tinha ônibus. A chuva fechara algumas ruas e os veículos não podiam transitar. Ela contou que não chegou a perder móveis, porque os quartos ficam no andar de cima da casa. A água molhou somente os pés de alguns móveis, na parte térrea. “Não chegou a estragar. Mas fica aquele fedor dentro de casa”, explicou.

Sem água

As chuvas prejudicaram também o abastecimento de água em vários bairros de cidades fluminenses. Em Pacaembu, por exemplo, no município de Queimados, também na Baixada Fluminense, a autônoma Hanna Susarte disse à Agência Brasil que sua família começou a sentir queda no abastecimento por volta de 10h desse domingo (14) e continua sem água.

Segundo Hanna, a informação que recebeu da concessionaria Águas do Rio foi que, em virtude das chuvas e possível contaminação da água, o abastecimento tinha sido reduzido para aquela região e que o prazo para restabelecer é até amanhã (16), às 22h. “Mas disse que pode voltar antes. A moça (da concessionária) perguntou se era só eu ou os vizinhos também. Falei que era todo mundo sem água. Aí, ela disse que ia deixar uma nota lá, com a matrícula da minha conta, para que houvesse urgência nesse serviço porque não só eu, mas meus vizinhos estamos prejudicados com essa falta de abastecimento. Agora, é aguardar se a água vai voltar”.

Amor aos animais

Jéssica de Souza Santos trabalha na cozinha de uma casa de repouso no Rio Comprido, zona norte do Rio de Janeiro. Ela estava na casa do pai, no bairro São Leopoldo, em Belford Roxo, quando a chuva caiu pesada no sábado (13). Quando ficou sabendo de estragos no bairro vizinho de Santa Maria, onde mora, a rua já estava com água até a cintura.

Jéssica procurou vizinhos, mas ninguém a atendeu. Um tio e uma amiga com quem havia estudado a acompanharam até sua casa. “Chegamos lá e já estava tudo tomado de água. Eu fui lá por causa dos meus gatos. Nem foi por causa de móveis, nem nada. Fui lá por causa dos meus bichinhos. Vi que eles estavam bem. Não consegui pegá-los porque estavam com medo da água. Tive que deixar eles lá em cima de coisas altas, onde estavam. Depois voltei para pegar os dois. Graças a Deus, estavam bem”, contou à Agência Brasil.

Nesta segunda-feira (15), Jéssica já encontrou tudo seco. “Já deu para limpar alguma coisa”. Ela permanece na casa do pai, com os felinos. Não vai dar, ainda, entretanto, para voltar ao trabalho, segundo Jéssica: “Não estou indo trabalhar. Nem roupa íntima eu tenho. Não tenho condições“. Ela pretende amanhã (16) lavar as roupas que estão molhadas, limpar a geladeira “que estava flutuando na água. Só vendo porque, falando, às vezes as pessoas nem acreditam.”

Luz e internet

O estudante de Tecnologia da Informação (TI) da Universidade Estácio, Pablo Soares, morador no bairro Tauá, Ilha do Governador, disse à Agência Brasil que a luz caiu no sábado (13) por volta das 3h30 da manhã. “Foi difícil para dormir e a consequência (da falta de luz) foi o calor muito quente. Ficamos cerca de dez horas sem luz. Foi bem difícil a questão de ventilação e de comunicação porque aqui, quando acaba a luz, também perde o sinal (de internet), na maioria dos lugares na Ilha. Infelizmente, tivemos que aguardar, porque não havia nem como se comunicar com a Light. O que eu fiz foi sair de casa para tentar refrescar um pouco e pegar um pouco de sinal.”

A primeira coisa que Pablo Moraes fez foi pesquisar na internet para saber o que estava acontecendo. Soube que uma subestação da Light no bairro Guarabu tinha sido afetada pelas chuvas, mas que os funcionários da empresa já estavam trabalhando para reparar o problema. A luz continua oscilando. Somente quando a Light comunicar que o conserto está 100% efetuado, os moradores ficarão tranquilos, disse Moraes. “Espero que tudo seja comunicado.”

ebc
https://agenciabrasil.ebc.com.br

Botafogo começa caminhada por vaga na fase de grupos da Libertadores

Nenhuma aposta acerta a Mega-Sena e prêmio vai a R$ 97 milhões

Empresa responsável por obras em prédio que desabou no Rio é condenada

Caixa paga novo Bolsa Família a beneficiários com NIS de final 4

Flamengo goleia Boavista e se classifica para semifinais do Carioca

Copa de 2027: Rio de Janeiro recebe delegação de inspeção da Fifa

Vieira rebate chanceler de Israel que criticou Lula: “revoltante”


Geral