Skip to content

Retrospectiva: 2023, ano de consolidação do futebol feminino

0Comments

Retrospectiva: 2023, ano de consolidação do futebol feminino

☉ Dec 30, 2023
0 views
Spread the love

A sétima edição Copa do Mundo de futebol feminino, disputada na Austrália e na Nova Zelândia, deixou evidente a consolidação e o desenvolvimento da modalidade em muitos países. O principal reflexo disso foi a conquista do título inédito pela Espanha. As tetracampeãs dos Estados Unidos, eliminadas nas oitavas de final, ficaram de fora do top três pela primeira vez na história.

Ainda que a seleção espanhola exista desde 1980, esta foi a terceira participação do país em mundiais (obteve a classificação apenas em 2015 e em 2019). Foi na Copa da França que as espanholas foram além das oitavas de final. A virada do futebol de mulheres na Espanha começou em 2010, com investimento na base e na estrutura do esporte. Jorge Vilda, o técnico campeão, iniciou o trabalho na seleção principal em 2015, tendo antes passado pelas categorias de base da La Roja. Campeão sim, mas não unânime entre as jogadoras. Em 2022, 15 atletas, entre elas as premiadas Alexia Putellas e Aitana Bonmatí, pediram por meio de carta a demissão de Vilda. Assédio moral e reclamações sobre os métodos de trabalho teriam motivado o movimento das jogadoras. Ele permaneceu no cargo, mas a divisão no vestiário continuou.

❤️ Lᴀ ᴍᴇᴊᴏʀ ғᴏʀᴍᴀ ᴅᴇ ᴄᴇʀʀᴀʀ ᴜɴ ᴀɴ̃ᴏ ʜɪsᴛᴏ́ʀɪᴄᴏ 🏆 pic.twitter.com/aGOcXIO5UE

— Selección Española Femenina de Fútbol (@SEFutbolFem) December 6, 2023

Ao vencer o Mundial de 2023, a Espanha expôs, além de técnica e talento, o quanto ainda há de avanços necessários fora de campo. O beijo na boca não consentido do então presidente da Federação Espanhola de Futebol, Luís Rubiales, na atacante Jenni Hermoso desencadeou mais um movimento das jogadoras e da sociedade, uma vez que gerou debate público e posicionamento de autoridades.

Rubiales tentou se manter no cargo, mas não aguentou a pressão e renunciou ao cargo. O dirigente foi banido do futebol por três anos após decisão do Comitê Disciplinar da Fifa. Apoiador de Rubiales, Jorge Vilda foi demitido da seleção espanhola e agora comanda a seleção feminina do Marrocos.

💭 ¡¡N𝐎 𝐄S U𝐍 𝐒U𝐄Ñ𝐎, E𝐒 𝐑E𝐀L!!

🇪🇸 La @sefutbolfem alcanza el puesto 1 en el ranking @FIFAcom

🏆🌟 Tras un 2023 inolvidable, España logra por primera vez liderar esta clasificación

🔗 https://t.co/zFcDQDILqn#JugarLucharYGanar pic.twitter.com/KUtH4NNUFV

— Selección Española Femenina de Fútbol (@SEFutbolFem) December 15, 2023

A meio-campo Aitana Bonmatí confirmou seu brilho dentro de campo ao ser premiada como a melhor da Copa e posteriormente ganhar da Bola de Ouro. Também da Espanha, Salma Paralluelo foi considerada a melhor jogadora jovem. A Copa de 2023 também mostrou ao mundo os talentos da inglesa Mary Earps, premiada como melhor goleira, e da japonesa Hinata Miyazawa, artilheira da competição. Da América do Sul, a jovem colombiana de 18 anos Linda Caicedo ganhou os holofotes pelo gol mais bonito do Mundial em cima da Alemanha. Aliás, Caicedo, Bonmatí e Jenni Hermoso são as finalistas do Fifa The Best de 2023, que será revelado no dia 15 de janeiro.

Seleção brasileira

O Brasil teve atuação muito abaixo do esperado no Mundial da Austrália e da Nova Zelândia. Sob comando da técnica sueca Pia Sundhage, a seleção foi eliminada na fase de grupos após ser derrotada por uma surpreendente Jamaica. Nas nove edições de Copa do Mundo de futebol feminino o Brasil só havia tido participação tão ruim nos torneios de 1991 e de 1995.

Sundhage, que havia sido contratada para liderar a seleção até os Jogos de Paris, foi demitida e teve o trabalho bastante questionado, embora tenha exercido papel importante no incentivo do desenvolvimento das categorias de base do Brasil.

Aquele abraço em grupo! 😍

📸 Nayra Halm / Staff Images Woman / CBF pic.twitter.com/ZjrP1KUN7S

— Seleção Feminina de Futebol (@SelecaoFeminina) December 10, 2023

Desde setembro, o técnico multicampeão pelo Corinthians Arthur Elias está à frente seleção feminina. Dos cinco amistosos do Brasil disputados com a assinatura de Elias, o Brasil venceu três (4 a 0 sobre a Nicarágua, 4 a 3 sobre o Japão e 1 a 0 sobre o Canadá). Além disso, a equipe canarinho perdeu de 2 a 0 para o Japão e 2 a 0 para o Canadá.

No Brasil, o futebol feminino em 2023 foi dominado pelo Corinthians. As Brabas do Timão foram campeãs da Copa do Brasil, do Campeonato Brasileiro, da Libertadores e do Paulistão. Com a saída de Arthur Elias, as corinthianas estão com novo técnico, Lucas Piccinato, que saiu do Internacional com o título do Gauchão e após cumprir campanha de destaque na Libertadores.

A base vem forte

O calendário de 2023 do futebol feminino brasileiro foi fechado com a realização da primeira edição da Copinha Feminina. Realizada em São Paulo pela Federação Paulista de Futebol (FPF), o torneio contou com 16 equipes sub-20 de diferentes estados. O Flamengo fez história ao ser o campeão da primeira edição. O título saiu do clássico contra o Botafogo no estádio do Canindé.

UMA VEZ FLAMENGO, SEMPRE FLAMENGO! 🏆🔴⚫️
O Rubro-Negro carioca é o campeão da primeira Copinha Feminina!#CopinhaFeminina pic.twitter.com/xpBlXg1wjy

— Copinha (@Copinha) December 17, 2023

Para 2024, a Federação Paulista planeja ampliar o torneio. “No momento estamos com oito estados, mas o objetivo para o ano que vem é aumentar o número de equipes, mas principalmente aumentar o número de estados. Nós queremos que o Brasil inteiro possa participar. Porque essa vai ser uma competição de fomento do futebol feminino”, disse a diretora de futebol feminino da FPF, Ana Lorena Marche, em participação no Copa Delas, videocast da TV Brasil.

ebc
https://agenciabrasil.ebc.com.br

Alckmin diz que ataques contra civis em Gaza é “inconcebível”

Lula e Maduro tratam de eleições na Venezuela no segundo semestre

CMN ajusta resolução sobre certificados imobiliários e agrícolas

Supremo condena mais 15 réus pelo 8 de janeiro

Casos de dengue em gestantes aumentam 345% em 2024

De olho em Paris, Willian Lima é bronze em Grand Slam de Judô

Historiadora é indiciada por postagens contra judeus


Esportes