Skip to content

Presidente iraniano e ministro das Relações Exteriores encontrados mortos no local da queda de helicóptero

Ebrahim Raisi

20 de maio de 2024

 

O presidente iraniano, Ebrahim Raisi, o ministro das Relações Exteriores, Hossein Amirabdollahian, e outras autoridades foram encontrados mortos na segunda-feira no local de um acidente de helicóptero no noroeste do Irã, informou a mídia estatal.

Equipes de busca encontraram os destroços na segunda-feira, um dia depois que o helicóptero caiu devido ao mau tempo perto de Varzaqan, na província iraniana do Azerbaijão Oriental.

A mídia estatal disse que os passageiros viajavam de volta ao Irã após um evento do outro lado da fronteira com o Azerbaijão, onde se reuniram com o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, para inaugurar um projeto de barragem.

A notícia da morte de Raisi trouxe mensagens de condolências, inclusive do primeiro-ministro do Paquistão, Shehbaz Sharif, que declarou um dia de luto na segunda-feira.

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, disse estar chocado com o acontecimento e que “a Índia está ao lado do Irão neste momento de dor”.

O primeiro-ministro iraquiano, Mohammed Shia al-Sudani, expressou “grande tristeza e grande dor”.

O presidente dos Emirados Árabes Unidos, bin Zayed Al Nahyan, disse que os Emirados Árabes Unidos “se solidarizam com o Irã neste momento difícil”.

A constituição do Irão diz que se o presidente morrer ou ficar incapacitado, o cargo é ocupado pelo primeiro vice-presidente, cargo actualmente ocupado por Mohammad Mokhber, até que novas eleições presidenciais sejam realizadas no prazo de 50 dias. O papel do presidente está subordinado ao líder supremo do Irão, o aiatolá Ali Khamenei, que detém a autoridade final sobre os assuntos do país.

Raisi, um protegido ultraconservador de Khamenei visto por alguns observadores como o sucessor preferido do líder supremo, foi eleito presidente numa votação de 2021 que impediu a candidatura dos seus rivais mais proeminentes e registou uma participação eleitoral recorde.

A agência de notícias estatal IRNA citou Khamenei dizendo: “A nação iraniana não deveria se preocupar. “Não haverá interrupções nas operações do país.”

A IRNA também publicou uma fotografia que mostra o vice-presidente Mokhber presidindo uma sessão de emergência do gabinete para abordar as consequências do acidente.

Notícia relacionada
Irã amplia busca por helicóptero acidentado que transportava o presidenteFonte
 .mw-parser-output .ambox{border:1px solid #a2a9b1;border-left:10px solid #36c;background:#fbfbfb;box-sizing:border-box}.mw-parser-output .ambox+link+.ambox,.mw-parser-output .ambox+link+style+.ambox,.mw-parser-output .ambox+link+link+.ambox,.mw-parser-output .ambox+.mw-empty-elt+link+.ambox,.mw-parser-output .ambox+.mw-empty-elt+link+style+.ambox,.mw-parser-output .ambox+.mw-empty-elt+link+link+.ambox{margin-top:-1px}html body.mediawiki .mw-parser-output .ambox.mbox-small-left{margin:4px 1em 4px 0;overflow:hidden;width:238px;border-collapse:collapse;font-size:88%;line-height:1.25em}.mw-parser-output .ambox-speedy{border-left:10px solid #b32424;background:#fee7e6}.mw-parser-output .ambox-delete{border-left:10px solid #b32424}.mw-parser-output .ambox-content{border-left:10px solid #f28500}.mw-parser-output .ambox-style{border-left:10px solid #fc3}.mw-parser-output .ambox-move{border-left:10px solid #9932cc}.mw-parser-output .ambox-protection{border-left:10px solid #a2a9b1}.mw-parser-output .ambox .mbox-text{border:none;padding:0.25em 0.5em;width:100%}.mw-parser-output .ambox .mbox-image{border:none;padding:2px 0 2px 0.5em;text-align:center}.mw-parser-output .ambox .mbox-imageright{border:none;padding:2px 0.5em 2px 0;text-align:center}.mw-parser-output .ambox .mbox-empty-cell{border:none;padding:0;width:1px}.mw-parser-output .ambox .mbox-image-div{width:52px}@media(min-width:720px){.mw-parser-output .ambox{margin:0 10%}}

Conforme os termos de uso “todo o material de texto, áudio e vídeo produzido exclusivamente pela Voz da América é de domínio público”.Todo o material produzido exclusivamente pela Voz da América está em domínio público. A licença não se aplica a materiais de terceiros divulgados pela VOA.

Irã amplia busca por helicóptero acidentado que transportava o presidente

Ebrahim Raisi

20 de maio de 2024

 

O Irã afirma que a busca por um helicóptero que caiu enquanto transportava seu presidente e outros altos funcionários no noroeste do país se estendeu até a madrugada de segunda-feira, já que o destino de Ebrahim Raisi permanece incerto.

A mídia estatal iraniana disse que o helicóptero caiu no domingo devido ao mau tempo perto de Varzaqan, na província iraniana do Leste do Azerbaijão. Disseram que transportava o Presidente Raisi, o Ministro dos Negócios Estrangeiros Hossein Amirabdollahian e dois outros responsáveis ​​de regresso ao Irão, vindos de um evento do outro lado da fronteira com o Azerbaijão, onde se reuniram com o Presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, para inaugurar um projecto de barragem.

A mídia iraniana disse que o helicóptero acidentado era um dos três que transportavam autoridades iranianas de volta do evento, onde inauguraram as usinas hidrelétricas Khoda Afarin e Giz Galasi ao longo do rio Aras, que marca a fronteira entre o Irã e o Azerbaijão. As fábricas estão localizadas no trecho do rio entre o distrito de Jabrayil, no Azerbaijão, e a província iraniana do Leste do Azerbaijão.

Aliyev publicou uma declaração na plataforma X, antigo Twitter, dizendo que estava “profundamente perturbado” pela queda do helicóptero de Raisi e oferecendo orações e assistência como um “país amigo e irmão”.

A TV estatal iraniana transmitiu imagens de equipes de resgate caminhando na escuridão através da chuva e do terreno montanhoso para tentar localizar o local do acidente a pé. Não houve informações sobre as condições de Raisi, Amirabdollahian ou de outras autoridades que estavam no helicóptero.

O Comissário Europeu para a Gestão de Crises, Janez Lenarcic, publicou na plataforma X que a UE ativou a sua tecnologia de mapeamento por satélite do Serviço de Gestão de Emergências Copernicus em resposta a um pedido iraniano de ajuda na busca do helicóptero.

A constituição do Irão diz que se o presidente morrer ou ficar incapacitado, o cargo será preenchido pelo primeiro vice-presidente, cargo atualmente ocupado por Mohammad Mokhber, até que uma nova eleição presidencial seja realizada no prazo de 50 dias. O papel do presidente é subserviente ao líder supremo do Irão, o aiatolá Ali Khamenei, que mantém a sua autoridade final sobre os assuntos do país.

Raisi, de 63 anos, um protegido ultraconservador de Khamenei visto por alguns observadores como o sucessor preferido do líder supremo, foi eleito presidente numa votação de 2021 que viu os seus rivais mais proeminentes serem impedidos de concorrer e uma participação recorde do eleitorado.

Fonte
 .mw-parser-output .ambox{border:1px solid #a2a9b1;border-left:10px solid #36c;background:#fbfbfb;box-sizing:border-box}.mw-parser-output .ambox+link+.ambox,.mw-parser-output .ambox+link+style+.ambox,.mw-parser-output .ambox+link+link+.ambox,.mw-parser-output .ambox+.mw-empty-elt+link+.ambox,.mw-parser-output .ambox+.mw-empty-elt+link+style+.ambox,.mw-parser-output .ambox+.mw-empty-elt+link+link+.ambox{margin-top:-1px}html body.mediawiki .mw-parser-output .ambox.mbox-small-left{margin:4px 1em 4px 0;overflow:hidden;width:238px;border-collapse:collapse;font-size:88%;line-height:1.25em}.mw-parser-output .ambox-speedy{border-left:10px solid #b32424;background:#fee7e6}.mw-parser-output .ambox-delete{border-left:10px solid #b32424}.mw-parser-output .ambox-content{border-left:10px solid #f28500}.mw-parser-output .ambox-style{border-left:10px solid #fc3}.mw-parser-output .ambox-move{border-left:10px solid #9932cc}.mw-parser-output .ambox-protection{border-left:10px solid #a2a9b1}.mw-parser-output .ambox .mbox-text{border:none;padding:0.25em 0.5em;width:100%}.mw-parser-output .ambox .mbox-image{border:none;padding:2px 0 2px 0.5em;text-align:center}.mw-parser-output .ambox .mbox-imageright{border:none;padding:2px 0.5em 2px 0;text-align:center}.mw-parser-output .ambox .mbox-empty-cell{border:none;padding:0;width:1px}.mw-parser-output .ambox .mbox-image-div{width:52px}@media(min-width:720px){.mw-parser-output .ambox{margin:0 10%}}

Conforme os termos de uso “todo o material de texto, áudio e vídeo produzido exclusivamente pela Voz da América é de domínio público”.Todo o material produzido exclusivamente pela Voz da América está em domínio público. A licença não se aplica a materiais de terceiros divulgados pela VOA.

Helicóptero uruguaio ajuda em operações de resgate no RS

Um helicóptero uruguaio opera no Rio Grande do Sul para socorrer vítimas das enchentes registradas no estado desde o fim de abril. Em nota divulgada nesta quarta-feira (8), a Secretaria de Comunicação Social (Secom) da Presidência da República rebateu fake news que alegavam que o Brasil teria recusado ajuda do país vizinho.

“O governo brasileiro não recusou a oferta de ajuda feita pelo Uruguai para as operações de socorro às vítimas das cheias no Rio Grande do Sul. Um helicóptero emprestado pelo país vizinho e amigo está em operação no estado, aparelho de grande valia para o auxílio dos socorristas. O Brasil é grato ao Uruguai pelo pronto-auxílio.”

“São falsas, portanto, as notícias de que o Brasil teria desprezado ajuda do Uruguai ou qualquer outro país. Todas as ofertas de auxílio são bem-vindas, serão analisadas conforme a adequação às urgências e serão bem recebidas.”

Avião

De acordo com a Secom, além do helicóptero, o Uruguai também ofereceu um modelo específico de avião para auxiliar os trabalhos no Rio Grande do Sul. “Neste caso, a avaliação técnica foi a de que o aparelho, em razão de suas características, não seria adequado para o tipo de operação exigida e a infraestrutura aeroportuária disponível”.

“Considerando ainda que já há, no Rio Grande do Sul, avião em operação da frota brasileira com a mesma funcionalidade do ofertado, a conclusão foi a de que não havia necessidade desse tipo de aeronave”, concluiu a nota.

Uruguai envia helicóptero para ajudar nos resgates no RS

O governo do Uruguai disponibilizou um helicóptero e uma equipe para auxiliar nos resgates de pessoas ilhadas pelas chuvas do Rio Grande do Sul (RS). A aeronave da Força Aérea do Uruguai conta com uma equipe de oito pessoas, entre pilotos, copilotos, técnicos e socorristas. A previsão é que o grupo opere nos resgates em Santa Maria (RS) a partir da tarde deste domingo (5).

“O Brasil agradece pela rápida e eficiente resposta do governo do Uruguai nesta #AssistênciaHumanitária crucial para apoiar as comunidades gaúchas afetadas pelas inundações”, informou, em uma rede social, a Agência Brasileira de Cooperação (ABC) do Ministério das Relações Exteriores (MRE).

A entidade ligada ao Itamaraty acrescentou que a equipe uruguaia está em Bagé (RS), já abastecida, aguardando melhores condições meteorológicas para seguir para Santa Maria. “A ação é fruto de negociações entre Uruguai e Brasil, sob coordenação das chancelarias dos 2 países”, completou.

Em nota, a Força Aérea do Uruguai informou que respondeu “de maneira imediata ao pedido de colaboração internacional realizado pelo Brasil para fazer frente as catastróficas inundações”.

Resgates

O número de resgatados em meio a alagamentos no estado gaúcho chegou a 17,9 mil, de acordo boletim divulgado pela Defesa Civil na noite desse sábado (4). Só na serra gaúcha, 431 pessoas foram resgatadas, sendo 145 por helicóptero.

Uma força tarefa formada por 3,3 mil servidores, entre bombeiros, policiais civis e militares e membros das Forças Armadas, estão atuando no resgates, com equipes do governo federal e de outras nove unidades da federação, como Minas Gerais, Bahia e Rio de Janeiro.

De acordo com o governo do Rio Grande do Sul, a frota para resgates é formada por 1,4 mil veículos, entre aeronaves, viaturas e embarcações. De acordo com o governo federal, há 29 helicópteros das Forças Armadas mobilizados para as operações, além de quatro aeronaves.

Já o número de pessoas mortas pelas fortes chuvas que atingem o Rio Grande do Sul chegou a 66, de acordo com o último boletim da Defesa Civil divulgado às 9h deste domingo. Outros seis óbitos ainda estão em investigação e outras 155 pessoas estão feridas. Há ainda 101 desaparecidos. 

O número de mortes superou a última catástrofe ambiental do estado em setembro de 2023, quando 54 pessoas perderam a vida. As autoridades afirmam que este é o pior desastre climático da história gaúcha.

As chuvas também obrigaram 95,7 mil pessoas a abandonarem suas casas, entre 80,5 mil desalojados e 15,1 mil desabrigados. Ao todo, as chuvas já afetaram 707,1 mil pessoas no estado. Dos 497 municípios gaúchos, 332 foram afetados pelas fortes chuvas, o que representa 66% do total.

O governo gaúcho pede ajuda para a população. Os itens mais necessários são colchões, roupa de cama, roupa de banho, cobertores, água potável, ração animal e cestas básicas, preferencialmente fechadas, para facilitar o transporte. Saiba como doar

Chefe militar queniano morto em acidente de helicóptero, diz presidente

O presidente queniano William Ruto

19 de abril de 2024

 

O chefe militar do Quénia estava entre as nove pessoas mortas num acidente de helicóptero na quinta-feira, segundo o presidente queniano, William Ruto.

O general Francis Ogolla, chefe das forças de defesa do Quénia, estava no helicóptero com outros 11 militares. Duas pessoas sobreviveram ao acidente e estão hospitalizadas.

Pouco depois da descolagem, o helicóptero caiu no Vale do Rift, no Quénia, no oeste do país, e pegou fogo, informou a imprensa local.

Ruto classificou o incidente como um “momento trágico” durante entrevista coletiva.

“Nossa pátria perdeu um de seus generais mais valentes”, disse Ruto. “A morte do General Ogolla é uma perda dolorosa para mim.”

Anteriormente, Ruto convocou uma reunião urgente do conselho de segurança queniano.

Ogolla ingressou nas Forças de Defesa do Quênia em 1984, onde treinou como piloto de caça na Força Aérea dos Estados Unidos e como piloto instrutor na Força Aérea do Quênia, de acordo com um perfil do Ministério da Defesa.

Ogolla acabou chefiando a Força Aérea Queniana antes de ascender a vice-chefe militar.

Ruto promoveu Ogolla para liderar o exército no ano passado. Na época, Ruto acusou Ogolla de participar de uma tentativa de anular o resultado das eleições presidenciais de 2022, mas disse ser a pessoa mais qualificada para o cargo.

Fonte
 

Brasil usa helicóptero para resgatar cidadãos do Haiti

O governo federal do Brasil realizou uma operação de retirada de sete brasileiros do Haiti nesta quarta-feira (10), informou o Ministério das Relações Exteriores. Outros 59 nacionais identificados pela Embaixada do Brasil em Porto Príncipe, capital haitiana, decidiram permanecer no país ou optaram por sair por meios próprios.

A evacuação dos brasileiros foi feita em dois voos de helicóptero, de Porto Príncipe à cidade fronteiriça de Jimaní, que fica na República Dominicana. De lá, o grupo, que incluiu uma cidadã alemã idosa, foi recebido por funcionários da Embaixada em São Domingos e trasladados até aquela capital.

O movimento do governo brasileiro ocorre no contexto de agravamento da situação de segurança no Haiti, assolado por uma guerra sangrenta entre gangues armadas. O conflito já matou milhares de pessoas desde o início deste ano. O aeroporto da capital está fechado e o atendimento consular do Brasil no país, de forma presencial, foi suspenso há cerca de um mês. Milícias e grupos armados têm invadido delegacias, libertado detentos de penitenciárias e tentam agora tomar o poder.

O último primeiro-ministro do Haiti, Ariel Henry, renunciou no mês passado. Ele estava fora do país e não conseguiu retornar. O Haiti é o país mais pobre das Américas e vive uma crise humanitária muito profunda. Com cerca de 80% da população desempregada e 60%, analfabeta, o país vem registrando uma deterioração da segurança pública desde o assassinato do presidente Jovenel Moïse, em julho de 2021. O caso ainda não foi resolvido e há dezenas de suspeitos, incluindo o primeiro-ministro e a esposa de Jovenel, Martine Moïse.

Brasil usa helicóptero para resgatar cidadãos no Haiti

O governo federal do Brasil realizou uma operação de retirada de sete brasileiros do Haiti nesta quarta-feira (10), informou o Ministério das Relações Exteriores. Outros 59 nacionais identificados pela Embaixada do Brasil em Porto Príncipe, capital haitiana, decidiram permanecer no país ou optaram por sair por meios próprios.

A evacuação dos brasileiros foi feita em dois voos de helicóptero, de Porto Príncipe à cidade fronteiriça de Jimaní, que fica na República Dominicana. De lá, o grupo, que incluiu uma cidadã alemã idosa, foi recebido por funcionários da Embaixada em Santo Domingos e trasladados até aquela capital.

O movimento do governo brasileiro ocorre no contexto de agravamento da situação de segurança no Haiti, assolado por uma guerra sangrenta entre gangues armadas. O conflito já matou milhares de pessoas desde o início deste ano. O aeroporto da capital está fechado e o atendimento consular do Brasil no país, de forma presencial, foi suspenso há cerca de um mês. Milícias e grupos armados têm invadido delegacias, libertado detentos de penitenciárias e tentam agora tomar o poder.

O último primeiro-ministro do Haiti, Ariel Henry, renunciou no mês passado. Ele estava fora do país e não conseguiu retornar. O Haiti é o país mais pobre das Américas e vive uma crise humanitária muito profunda. Com cerca de 80% da população desempregada e 60%, analfabeta, o país vem registrando uma deterioração da segurança pública desde o assassinato do presidente Jovenel Moïse, em julho de 2021. O caso ainda não foi resolvido e há dezenas de suspeitos, incluindo o primeiro-ministro e a esposa de Jovenel, Martine Moïse.

Taiwan: helicóptero resgata mineiros; número de feridos ultrapassa mil

Um helicóptero resgatou nesta quinta-feira (4) seis pessoas que estavam presas em uma área de mineração após o pior terremoto de Taiwan dos últimos 25 anos, enquanto centenas de tremores secundários que sacudiram a região leste, perto do epicentro, levaram muitas pessoas a buscar abrigo.

O número de mortos pelo terremoto de magnitude 7,2 ocorrido na quarta-feira subiu para 10, com 1.067 feridos, informaram as autoridades. A maioria dos cerca de 50 funcionários de um hotel que ficaram ilhados em uma rodovia quando se dirigiam a um resort, em um parque nacional, foi localizada.

Mas 660 pessoas ainda estavam presas, a maioria delas em hotéis no parque, depois que a estrada foi interditada, informou o corpo de bombeiros, enquanto a descoberta de um corpo em uma trilha de caminhada perto da entrada de um desfiladeiro elevou o total de mortes para 10.

Danos provocados por terremoto de 7.2 na escala Richter em Hualien, Taiwan – REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

Um helicóptero levou para segurança seis mineiros presos em um penhasco em um resgate dramático depois que o terremoto fechou as estradas para as montanhas de Hualien, em imagens exibidas pelo departamento.

O Ministério da Agricultura pediu que as pessoas se mantivessem longe das montanhas devido ao risco de queda de rochas e à formação de “lagos de barreira”, pois a água se acumula atrás de escombros instáveis.

Quinta-feira foi o início de um feriado prolongado para o festival de varredura de túmulos, quando as famílias tradicionalmente voltam para casa para cuidar dos túmulos dos ancestrais, embora outras também visitem atrações turísticas.

As pessoas do condado de Hualien, em grande parte rural e pouco povoado, estavam se preparando para ir ao trabalho e à escola quando o terremoto atingiu a costa na quarta-feira (3).

Os prédios também tremeram violentamente em Taipé, mas a capital sofreu danos mínimos.

Tendas em Hualien funcionam como abrigo para pessoas afetadas pelo terremoto que atingiu Taiwan- REUTERS/TYRONE SIU

Todas as pessoas presas em prédios na cidade de Hualien, a mais atingida, foram resgatadas, mas muitos moradores, com medo pelos mais de 300 tremores secundários, passaram a noite ao ar livre.

“Os tremores secundários foram aterrorizantes”, disse Yu, uma mulher de 52 anos que informou apenas seu sobrenome. “É ininterrupto. Não me atrevo a dormir em casa.”

Com muito medo de voltar para seu apartamento, que ela descreveu como estando uma “bagunça”, ela dormiu em uma barraca em um campo esportivo que estava sendo usado como abrigo temporário.

*É proibida a reprodução deste conteúdo

Ex-presidente do Chile Sebastián Piñera morre em acidente de helicóptero

Sebastián Piñera

6 de fevereiro de 2024

 

O ex-presidente do Chile Sebastián Piñera morreu na terça-feira quando o helicóptero em que viajava, junto com outros três tripulantes, caiu nas águas do Lago Ranco, no sul do país, conforme confirmou o Palácio La Moneda.

“Há poucos momentos tivemos a confirmação dos Carabineros de que a Marinha conseguiu chegar ao local onde ocorreu o acidente e recuperar o corpo do ex-presidente Piñera, falecido”, disse à imprensa a ministra do Interior do Chile, Carolina.

Tohá explicou que “havia quatro tripulantes no helicóptero, três deles conseguiram chegar à costa, mas o mesmo não aconteceu com o quarto tripulante, que era o ex-presidente Sebastián Piñera”.

Posteriormente, o presidente chileno, Gabriel Boric, também expressou suas condolências ao círculo próximo de seu antecessor e reiterou que instruiu que o ex-presidente “seja demitido com honras fúnebres de Estado” e que sejam decretados três dias de luto nacional “para homenagear” sua memória. .

Para organizar o “funeral destas características”, nomeou o seu chanceler Alberto van Klaveren.

 

Helicóptero da NASA termina missão em Marte após três anos

27 de janeiro de 2024

 

O helicóptero Ingenuity Mars da NASA encerrou oficialmente sua missão depois de quase três anos, disse a agência espacial na quinta-feira.

A aeronave, que pegou carona até o Planeta Vermelho no rover Perseverance, sofreu danos nas pás durante o pouso durante seu último vôo. Agora não é mais capaz de voar.

A equipe do Ingenuity agendou um breve voo em 18 de janeiro para avaliar sua localização após um pouso de emergência. Porém, durante o voo, o Ingenuity perdeu contato com o Perseverance, que servia como retransmissor de comunicações. A causa da queda está sendo investigada.

Sendo a primeira aeronave a operar em outro planeta, o Ingenuity realizou 72 voos e voou quase 14 vezes mais longe do que o planejado originalmente, e sua missão de quase 1.000 dias marcianos foi 33 vezes mais longa do que o planejado originalmente. A sua intenção original era provar que o voo era possível na atmosfera ultrafina de Marte.

A resistência do Ingenuity superou as expectativas porque dependia de um sistema de aquecimento movido a energia solar para protegê-lo durante as duras e frias noites marcianas.

A equipe do Ingenuity realizará testes finais nos sistemas do helicóptero e recuperará as imagens e dados restantes armazenados na memória.