Skip to content

Crise humanitária no leste do Congo: confrontos e deslocamentos alcançam níveis críticos

Conflitos entre as FARDC e M23

24 de fevereiro de 2024

 

Os confrontos intensificam-se no Leste da República Democrática do Congo (RDC), elevando a crise humanitária a níveis críticos. Deslocações generalizadas e riscos crescentes para mulheres e crianças são resultados dessa situação. Mais de 200,000 pessoas foram recentemente deslocadas de Sake e de assentamentos próximos na província de Quivu do Norte devido aos combates recentes. Esse número soma-se aos mais de 6 milhões de deslocados atualmente na RDC, sendo mais de 80% atribuídos a conflitos, principalmente na região oriental, que representa 97% do deslocamento total.

O Diretor Nacional da CARE RDC, Sidibe Kadidia, alerta para a catástrofe no Leste da RDC, destacando os riscos para milhões de vidas, especialmente mulheres e crianças. O aumento constante de casos de desnutrição, doenças e violência contra mulheres e jovens requer uma ação imediata para atender às necessidades humanitárias urgentes, incluindo acesso a alimentos, água, cuidados de saúde e serviços de proteção.

Desde janeiro de 2024, a crise agravou-se com a propagação dos confrontos pelas aldeias próximas à fronteira com o Quivu do Sul, forçando as pessoas a fugir para Goma. O influxo de deslocados sobrecarrega os recursos, resultando em aumento nos preços dos alimentos devido à interrupção das rotas. Antes do conflito, 2.8 milhões de crianças enfrentavam subnutrição, agora sofrem perturbações na educação e saúde. Estima-se que 1.1 milhões de crianças e 605,000 mulheres enfrentem desnutrição aguda. Crianças menores de cinco anos e mulheres grávidas ou lactantes são particularmente vulneráveis. Além disso, o conflito causou danos significativos e vítimas civis.

A violência baseada no género (VBG) está em ascensão, aumentando os riscos para mulheres e jovens. A falta de acesso a alimentos leva a mecanismos negativos de sobrevivência, como sexo transacional e mendicância por alimentos, aumentando o risco de exploração e abuso. Desde a escalada de violência em 2023, o número de vítimas de violência sexual continua a crescer.

Com a escalada do conflito, a região enfrenta precipitações intensas e inundações, resultando em um saldo de mais de 300 óbitos e afetando cerca de 1.8 milhão de pessoas. Essa situação agrava as fragilidades da população com recursos limitados para acesso à água e saneamento e há relatos de um surto de cólera. A possível propagação ao longo da rota para Goma e dos assentamentos de deslocados internos é uma preocupação séria, demandando medidas imediatas para conter o aumento do risco de surto de cólera devido à sobrecarga das instalações sanitárias.

Notícia Relacionada
“ONU afirma que inundações na República do Congo deixam 350 mil necessitados”, Wikinotícias, 21 de janeiro de 2024.
 
 

ONU afirma que inundações na República do Congo deixam 350 mil necessitados

21 de janeiro de 2024

 

O Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) afirmou na sexta-feira que as piores inundações em seis décadas na República do Congo deixaram mais de 350 mil pessoas necessitadas de assistência humanitária.

Falando numa conferência de imprensa na sede da agência em Genebra, porta-voz Jens Laerke disse aos jornalistas que as inundações causadas pelas fortes chuvas no final do ano passado criaram uma situação sem precedentes, em que nove das 12 províncias do país ficaram “debaixo de água”, afetando 1,8 milhões de pessoas.

Laerke disse que as inundações deixaram as comunidades sem abrigo ou acesso a serviços primários de saúde. “Aldeias, escolas e instalações de saúde foram inundadas e muitos pontos de água e instalações de saneamento já não funcionam”, disse.

A avaliação do OCHA indicou que mais de 350 mil pessoas no país necessitam de assistência de emergência, mas o porta-voz da agência disse que muitas das aldeias só podem ser alcançadas por barco ou canoa.

Laerke disse que a ONU alocou 3,6 milhões de dólares do seu fundo central de resposta a emergências para atender às necessidades mais prementes do país. Ele também apelou à comunidade internacional por fundos adicionais para enfrentar a crise.

As chuvas acima da média durante o último semestre de 2023 na República do Congo, na vizinha República Democrática do Congo, no Quênia e noutros países da África Central e Oriental causaram inundações devastadoras e deixaram centenas de mortos e milhares de desalojados.

As autoridades culparam o evento climático El Nino pelas chuvas excecionalmente fortes na região.