Skip to content

Crise humanitária no leste do Congo: confrontos e deslocamentos alcançam níveis críticos

Conflitos entre as FARDC e M23

24 de fevereiro de 2024

 

Os confrontos intensificam-se no Leste da República Democrática do Congo (RDC), elevando a crise humanitária a níveis críticos. Deslocações generalizadas e riscos crescentes para mulheres e crianças são resultados dessa situação. Mais de 200,000 pessoas foram recentemente deslocadas de Sake e de assentamentos próximos na província de Quivu do Norte devido aos combates recentes. Esse número soma-se aos mais de 6 milhões de deslocados atualmente na RDC, sendo mais de 80% atribuídos a conflitos, principalmente na região oriental, que representa 97% do deslocamento total.

O Diretor Nacional da CARE RDC, Sidibe Kadidia, alerta para a catástrofe no Leste da RDC, destacando os riscos para milhões de vidas, especialmente mulheres e crianças. O aumento constante de casos de desnutrição, doenças e violência contra mulheres e jovens requer uma ação imediata para atender às necessidades humanitárias urgentes, incluindo acesso a alimentos, água, cuidados de saúde e serviços de proteção.

Desde janeiro de 2024, a crise agravou-se com a propagação dos confrontos pelas aldeias próximas à fronteira com o Quivu do Sul, forçando as pessoas a fugir para Goma. O influxo de deslocados sobrecarrega os recursos, resultando em aumento nos preços dos alimentos devido à interrupção das rotas. Antes do conflito, 2.8 milhões de crianças enfrentavam subnutrição, agora sofrem perturbações na educação e saúde. Estima-se que 1.1 milhões de crianças e 605,000 mulheres enfrentem desnutrição aguda. Crianças menores de cinco anos e mulheres grávidas ou lactantes são particularmente vulneráveis. Além disso, o conflito causou danos significativos e vítimas civis.

A violência baseada no género (VBG) está em ascensão, aumentando os riscos para mulheres e jovens. A falta de acesso a alimentos leva a mecanismos negativos de sobrevivência, como sexo transacional e mendicância por alimentos, aumentando o risco de exploração e abuso. Desde a escalada de violência em 2023, o número de vítimas de violência sexual continua a crescer.

Com a escalada do conflito, a região enfrenta precipitações intensas e inundações, resultando em um saldo de mais de 300 óbitos e afetando cerca de 1.8 milhão de pessoas. Essa situação agrava as fragilidades da população com recursos limitados para acesso à água e saneamento e há relatos de um surto de cólera. A possível propagação ao longo da rota para Goma e dos assentamentos de deslocados internos é uma preocupação séria, demandando medidas imediatas para conter o aumento do risco de surto de cólera devido à sobrecarga das instalações sanitárias.

Notícia Relacionada
“ONU afirma que inundações na República do Congo deixam 350 mil necessitados”, Wikinotícias, 21 de janeiro de 2024.
 
 

Pelo menos 26 mortos em confrontos entre tribos na Papua Nova Guiné

19 de fevereiro de 2024

 

A emissora estatal australiana informou no dia 19 que pelo menos 26 pessoas foram mortas em confrontos entre tribos na Papua Nova Guiné.

A emissora estatal australiana ABC noticiou isso hoje, citando a polícia local, e informou que as vítimas foram mortas em uma emboscada no dia anterior no norte do país. A transmissão afirmou que militares e policiais corriam risco de chegar ao local e fizeram o possível para reprimir a situação.

A agência de notícias AFP informou que dezenas de corpos foram encontrados na beira da estrada na área onde ocorreram confrontos sangrentos.

O primeiro-ministro australiano, Anthony Albanese, disse numa entrevista de rádio que o incidente foi “muito chocante” e que o governo australiano estava fornecendo apoio à formação e segurança dos policiais da Papua Nova Guiné.

 

CBF sorteia confrontos da 1ª fase da Copa do Brasil na terça-feira

O sorteio dos confrontos da primeira fase da Copa do Brasil, que reúne ao todo 92 times de diversas divisões do futebol nacional, será na próxima terça-feira (30), às 15h (horário de Brasília), na sede da CBF, no Rio de Janeiro. De acordo com a entidade, no mesmo dia também serão definidos os mandos de campo da segunda fase. O sorteio terá transmissão ao vivo online. A primeira fase está programada para começar em 21 de fevereiro. 

Além dos 80 clubes da fase inicial contemplados no sorteio, outros 12 times previamente classificados ingressarão na Copa do Brasil apenas na terceira fase, quando a disputa ocorrerá com jogos de ida e volta. São eles: Palmeiras, Flamengo, Atlético-MG, Grêmio, Botafogo, Bragantino, Athletico-PR, Vitória, Fluminense, São Paulo, Ceará e Goiás. 

Quer saber qual pode ser o confronto do seu time na primeira fase?

Esses são os potes que vão se cruzar no #SorteioCopadoBrasil da próxima terça-feira, a partir das 15h, na sede da CBF, no Rio de Janeiro.

Anota aí! #CopaBetanoDoBrasil 🇧🇷 pic.twitter.com/e32cICtdqc

— Copa do Brasil (@CopaDoBrasilCBF) January 27, 2024

Para realizar o sorteio dos primeiros confrontos do torneio, a CBF distribuirá os nomes dos 80 times da fase inicial em oito potes. De um lado, ficarão os times mais bem colocados no Ranking Nacional de Clubes (RNC), alocados nos potes A, B, C e D. Tais equipes farão a estreia fora de casa, no entanto terão a vantagem do empate para avançarem à segunda fase. Do outro lado estarão os demais 40 clubes distribuídos pelo potes E, F, G, H.

Entre os clubes estreantes no torneio mais democrático do país, estão Água Santa, de Diadema (SP), Amazonas-AM, campeão da Série C do Campeoanto Brasileiro de 2023; Manauara-AM: ;Audax Rio (RJ); Olaria-RJ: Capital-TO; Grêmio Atlético Sampaio-RR; Itabuna-BA; e Petrolina-PE. 

Cólera alastra-se em Moçambique e desinformação causa confrontos

27 de janeiro de 2024

 

O atual surto de cólera continua a alastrar-se e expandiu para mais um distrito de Sofala, Muanza, elevando para 30 distritos moçambicanos que registam em quatro meses o surto da doença.

O governo considera p surto de baixa intensidade, mas que especialistas avaliam como preocupante, sobretudo, no norte do país.

Nos últimos dois dias registaram-se 232 novos casos, mas sem óbitos, segundo o mais recente boletim sobre a progressão da Doença da Direção Nacional de Saúde Publica, divulgado a 25 de Janeiro, e que atualiza para 10.293 casos de cólera no país. Segundo dados oficiais não há registo de óbitos há mais de duas semanas.

Os casos ativos da cólera expandiram-se para o décimo terceiro distrito moçambicano, mais um distrito que na última atualização, elevando a preocupação com a doença, que em quase todos os focos têm sido aliados ao consumo de água não potável de fontes comuns.

Edgar Meque, chefe de departamento de saúde publica em Sofala, disse que o distrito de Cheringoma “é o distrito que mais nos preocupa neste momento, porque estamos com uma tendência crescente de número de casos apesar dos esforços feitos pelo sector no processo de sensibilização”.

Sofala no centro de Moçambique é a segunda província mais afetada pela com 1102 caos e um óbito, e perde nessa zona centro apenas para Tete (noroeste), que lidera com 1905 casos e seis óbitos

Desinformação causa mortes

A província mais afetada pela atual vaga deste surto de cólera é Nampula (norte), com um cumulativo de 3321 e 12 óbitos, e que esta a enfrentar uma persistente onda de desinformação, que esta a dificultar as campanhas de educação e sensibilização para a saúde publica e o controlo da propagação.

Na segunda sessão do ano do Centro Operativo de Emergência (COE) de Nampula, realizada nesta sexta-feira, 26, Geraldino Avelino, chefe do departamento de saúde publica, disse que as autoridades estão esgotadas em lidar com casos de desinformação, sobretudo, no distrito de Mecuburi e Eráti, com alta taxa de letalidade da cólera.

“Estamos a tentar buscar outras estratégias de comunicação, mas quem devia ser o elo de ligação entre a saúde e a comunidade, são os líderes comunitários”, que a população acusa de espalhar a cólera, afastando-os no combate à doença, disse Geraldino Avelino.

Por temer a fúria população “os líderes comunitários se afastam das campanhasm e se calhar temos que pensar em usar a policia para assegurar as campanhas”, precisou Geraldino Avelino, anotando que a população está a se dispersar e a criar novos focus nos distritos atingidos pela doença.

Na primeira sessão do Conselho de Ministros, na terça-feira, 23, o porta-voz Filmão Suazi, revelou igualmente preocupação com a onda de desinformação sobre a origem da cólera que está a perpetuar a propagação da doença, apesar de considerar o atual surto de baixa intensidade.

Pelo menos cinco pessoas morreram e 26 pessoas terão ficado feridas em Moçambique em atos de violência causada por uma onda de desinformação sobre a cólera. A desinformação está a provocar estragos nas províncias de Cabo Delgado, Nampula e Zambézia.

Entretanto, Jorge Matine, diretor executivo do Observatório Cidadão para Saúde (OCS), que considera preocupante o atual surto, defende que o mesmo pode ser resultado da falta de investimentos em infraestruturas de saneamento e acesso à água potável com a descoberta das dívidas ocultas em Moçambique.

O especialista lamenta que a maior fraude na história do país esteja a refletir na saúde da população mais desfavorecida, que necessita de mais investimentos nas áreas cruciais