Skip to content

EUA atingem novamente míssil houthi disparado do Iêmen

5 de fevereiro de 2024

 

Os militares dos EUA disseram ter realizado um ataque de “autodefesa” na noite de domingo contra mísseis de cruzeiro numa área do Iêmen controlada por militantes houthi.

O Comando Central dos EUA disse que o ataque atingiu quatro mísseis antinavio que estavam sendo preparados para serem lançados contra navios no Mar Vermelho.

Um comunicado do CENTCOM disse que os mísseis “representavam uma ameaça iminente aos navios da Marinha dos EUA e aos navios mercantes na região”.

No domingo anterior, o conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, disse para CNN que o presidente dos EUA, Joe Biden, “fará o que acha que precisa ser feito” se houver mais ataques contra navios mercantes no Mar Vermelho.

Mesmo assim, Sullivan disse que os EUA vão “tentar evitar (uma) guerra alargada” no Oriente Médio.

Na sexta-feira, os EUA atingiram mais de 85 alvos ligados ao Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica no Irã e aos seus representantes no Iraque e na Síria, em resposta ao assassinato de três militares dos EUA. Os países acusam os norte-americanos de causarem instabilidade na região.

 

Forças dos EUA lançam ataque contra míssil houthi

27 de janeiro de 2024

 

O Comando Central dos EUA disse na manhã de sábado que suas forças atingiram um míssil antinavio que disse estar em território controlado pelos houthi e “mirado no Mar Vermelho e que estava preparado para ser lançado”.

Na sexta-feira, o USS Carney foi alvo de um míssil houthi enquanto patrulhava o Golfo de Aden. O destróier derrubou o míssil, mas foi a primeira vez que um navio de guerra dos EUA foi alvo dos rebeldes localizados no Iêmen.

O Marlin Luanda, um petroleiro, foi atingido por um míssil na noite de sexta-feira, provocando um incêndio. O porta-voz militar houthi, Yahya Sarea, disse que os rebeldes usaram “uma série de mísseis navais apropriados, o ataque foi direto”.

O CENTCOM informou que o petroleiro britânico emitiu um pedido de socorro e relatou danos. O USS Carney respondeu, juntamente com outros navios, para oferecer assistência. Não foram registados feridos, segundo o CENTCOM, que supervisiona as forças dos EUA no Oriente Médio.

Além disso, na sexta-feira, um navio petroleiro com bandeira do Panamá e afiliado à Índia informou que dois mísseis explodiram na água enquanto navegava no Mar Vermelho, perto do Iêmen. Nenhum dano ou ferimento foi relatado.

Os ataques de sexta-feira ocorrem depois de uma semana em que o Reino Unido e os Estados Unidos lançaram uma nova rodada de ataques contra os rebeldes.